Grupo de Pesquisa Poéticas Cênicas – Visuais e Performativas

e o 3º. Encontro de Poéticas do Inanimado

 

Há três anos, eu e Mário Piragibe nos encontramos em uma   banca de doutorado na Unesp e surgiu-nos a ideia da criação de um grupo de pesquisa em que fosse possível concentrar pesquisadores que atuassem na pesquisa de linguagem que não tivesse o ator/atriz como centro do acontecimento teatral. Como na nossa prática artística, e também docente, tanto na graduação quanto na pós-graduação, nossas pesquisas pessoais, e, consequentemente a de nossos orientandos, da graduação ao doutorado, todas, tinham o inanimado, em suas várias linguagens, como elemento poético fundamental na construção da visualidade da cena. Essa visualidade, entretanto, não desprezava o elemento humano. Esse estava presente em jogo constante com todos os objetos presentes na cena.

Esse aspecto performativo da relação do inanimado com o humano inspirou o nome do grupo: Grupo de Pesquisa Poéticas Cênicas: Visuais e Performativas. Aquilo que teve início em 2018 como um desejo de dois amigos, companheiros de anos de lutas e superações, tanto no teatro como na universidade, se expandiu para além das nossas expectativas e hoje temos no grupo pesquisadores de universidades de todas as regiões do Brasil, além de colaboradores internacionais, tanto da América Latina quanto da Europa. Em tal contextura, a realização do 3º. Encontro de Poéticas do Inanimado, é motivo de orgulho para todos nós.

Nos mesmos moldes de 2020, por conta da pandemia da COVID-19, o encontro de 2021 também será todo on line e terá por tema as Poéticas do Inanimado e Suas Formas de Resistência.  A crise sanitária que o mundo vive, sobremodo o Brasil, que acumula um número inaceitável de mortos, também vive uma séria crise política. O golpe de 2016, que depôs a presidenta Dilma Roussef, colocou o país em uma escalada de retrocessos em todas as áreas. Nesse contexto de degradação em que  a Educação e a Cultura nacional são alvos de extremistas, a realização  do 3º. Encontro de Poéticas do Inanimado que  terá como sede duas instituições de Ensino Superior da mais alta relevância:  Universidade de Brasília (UNB) e a Universidade Federal de Goias (UFG), tiveram por desafio a organização de uma programação que traduzisse o nosso momento atual em que os nossos questionamentos estéticos e nossas preocupações políticas estivessem unidas no mesmo evento.

 

É fato que a pandemia nos levou a um processo de transformação das linguagens teatrais, de reinvenção e mudanças em que a tradição precisou se abrir para novas possibilidades poéticas. A reinvenção é fundamental para o teatro. Entretanto, também é fato que as artes cênicas, conforme levantamento feito pela UNESCO em 2020, foram as mais afetadas nesse período de privação e que 70% dos artistas de teatro no Brasil perderam a totalidade de suas receitas. É um número assustador e cujas dificuldades poderiam ser amenizadas por meio de políticas sérias para o setor.

 

Nesse contexto histórico de dor, sofrimento, tensão política constante, o 3º. Encontro de Poéticas do Inanimado sobressalta às dificuldades de todas as espécies para se constituir em um oásis de expressão e exercício de sensibilidades estéticas. Assim, a partir das experiências artísticas e também políticas compartilhadas por artistas, pesquisadores e pesquisadoras vindos das mais variadas localidades, poderemos dar um pouco de visibilidade a histórias de resistências, individuais e coletivas em todos os seus níveis e camadas.

 

Prof. Dr. Wagner Cintra

Líder do GP Poéticas Cênicas – Visuais e Performativas

LOGO GRUPO PESQ INV.png